FANDOM


Yamato
Yamato
Map2
Gentílico Yamato
Capital Shintou
Maior Cidade Shintou
Línguas oficiais Japonês e Inglês
Governo: República Presidencialista
Independência


- Declarada

do Japão


14 de outubro de 1945

Moeda Ten
Código Internet .ya
Área Total


- População (2013)



- Densidade Demográfica

 110.490 km²


9.645.390 hab.



87,25 hab./km²

Código telefônico +390
IDH 0,921


Yamato-Kuni, País de Yamato ou simplesmente Yamato (em japonês: 大和) é um país situado ao noroeste do Oceano Pacífico, e antiga colônia do Japão.

História Editar

Antiguidade e Era Feudal

No século V, o Japão estava no auge do período Yamato. Contatos com os vizinhos China e Coréia já eram feitos, e não demorou até os barcos avistarem uma terra desconhecida e desabitada a leste.

Tomando posse do território, deram-lhe o nome de "Kage-Yamato", o Yamato das sombras; não à toa, visto que pelos próximos 1500 anos o local seria uma colônia do reino. Um território vivendo à sombra de sua metrópole.

Com o fim do período Yamato e o começo do período Nara no século VII, o país passou a se chamar Nippon, a terra do sol nascente. Kage-Yamato, assim, herdou o antigo nome de sua metrópole, assim como continuava a receber colonos.

Nada de mais importante aconteceu nos próximos séculos na colônia de Yamato, que obedientemente servia ao Japão, alheios ao resto do mundo.


Era Moderna, Yamato no declínio do Shogunato

Com a ascensão de Tokugawa Ieyasu como primeiro xogum do Japão e consequentemente o início da era Edo, o país isolou-se do mundo, ficando cada vez mais atrasado em relação à moderna Europa.

A situação piorava com o comando falho dos xoguns; altos impostos, burocracia e aumento considerável da população faziam muitos saírem do país buscando refúgio em áreas desabitadas da colônia Yamato. Em 1830, o movimento migratório atingiu seu pico, com violentos desastres naturais assolando o Japão combinados à miséria generalizada de camponeses.

Yamato no fim do Shogunato

Em 1853, barcos norte-americanos aproximaram-se da baía de Edo, forçando o governo a negociar a abertura de seus portos. Isso aconteceu em 1854, com o Tratado de Kanagawa; porém, apenas 8 anos depois Yamato saberia o que é receber estrangeiros.

O Tratado de St. Michael, em 1862, abriu as portas de Yamato aos europeus, concedendo (forçosamente) uma porção do território para os ingleses. Em 1863, o Tratado de Windharvest cedeu mais uma parte de Yamato para a Inglaterra; no mesmo ano, o Tratado de Vallejón permitiu que a Espanha utilisasse uma área delimitada em Yamato como colônia.

Os territórios ultramarinos de St. Michael, Windharvest e Vallejón se tornariam o conhecemos hoje como as províncias de mesmo nome.

Yamato, Restauração Meiji

A partir dessa época, a colônia de Yamato começou um assustador processo de desenvolvimento e ocidentalização no mesmo ritmo que sua metrópole, o Japão. O intercâmbio cultural era facilitado pela existência dos três territórios ultramarinos, fomentando uma estranha e híbrida identidade Yamato.

Yamato na Segunda Guerra Mundial

Em 1940, o Japão assinou o tratado Tripartite com a Itália e a Alemanha, formando o Eixo. Ao mesmo tempo, ordens expressas foram dadas para que fossem cortadas as comunicações com Windharvest e St. Michael; o plano do Japão era recuperar as duas áreas o mais rápido possível, sabendo que a posição dos territórios ultramarinos seria crucialmente estratégica para os Aliados caso não o fizesse.

Mas antes que o Japão pudesse fazer algo, a Inglaterra e a França despacharam cerca de 5.000 soldados para o oriente, montando uma base avançada em St. Michael. O Japão respondeu também armando-se em sua colônia, e deu-se início ao período chamado de "Guerra Civil de Yamato". Apesar do nome, houveram poucas investidas de ambos os lados. O que houve foi sim um clima de tensão generalizada; o confronto mais conhecido foi a Batalha de Millford Crossing, onde ocorreram 834 mortes no total.

Em 1945, com a rendição do Japão e sob a influência da Inglaterra e da França, Yamato declara independência do Japão. Enfraquecida, a agora ex-metrópole não pode senão aceitar o pedido de independência. Como amostra de boa-vontade, a Inglaterra abriu mão de Windharvest e St. Michael, permitindo que se tornassem parte do novo país. Um plebiscito foi rapidamente convocado, elegendo governantes provisórios para as províncias até que a primeira eleição fosse realizada, elegendo Ichiro Hiiguchi como seu primeiro presidente e estabelecendo o país como uma república até os dias de hoje.

Demografia Editar

Yamato é dividida em 7 regiões administrativas: Toukai-ken, Kitazakai, Teichi-ken, Jukai, St. Michael County, Província de Vallejón e Windharvest County. As províncias sofreram mudanças impostas pelos seus habitantes ao longo das eras, afastando-se mais ou menos das influências culturais de seus países "patriarcas"; o fato é que hoje, quem nasce e vive em Yamato tem cara e comportamento próprios.

Map3
Departamento Sede administrativa
1 Toukaiken Shintou
2 Kitazakai Hokuto
3 Hirano-Ken Reito
4 Jukai Hyakudai
5 St. Michael St. Michael
6 Vallejón Madrid Oriental
7 Windharvest County Cornfield


Toukaiken

A província principal. Lar da capital e maior cidade do país, Shin Tokyo, Toukaiken é provavelmente a província com maior influência japonesa. Não por acaso, as cidades têm tanto homenagens em seus nomes ("Shin Tokyo" significa "Nova Tokyo" em japonês, e "Kyoto-Saki", "Região de Kyoto") quanto têm planejamentos similares às de suas contrapartes japonesas. O que diferencia a capital yamato da capital japonesa, porém, é o fato de Shintou ser uma metrópole cosmopolita. O povo recebe bem estrangeiros, de qualquer nacionalidade, fato um pouco diferente do que ocorre no Japão.

Kitazakai

Se a província de Jukai se orgulha de suas tradições, Kitazakai abunda em belezas naturais. Mais notoriamente, a montanha Sokenzan e o bosque Takenuma, com cidades homônimas em seus arredores. Entre outras localidades também estão os montes Kusanagi e o Jardim Tengoku. A província também mantém uma ligação forte com a antiga metrópole, o Japão.

Hirano-Ken

No extremo noroeste, Hirano-Ken é provavelmente a província com maior miscigenação do país, pelo fato de ter grandes cidades portuárias. Sua população tem grande número de mestiços e consideravelmente mais estrangeiros residem em Hirano do que em outras províncias.

Jukai

Jukai é tida como a província mais "tradicional" das sete de Yamato. Localizada no centro do país, tem em costumes e festas tradicionais o grande orgulho de seus habitantes como modo de formar um elo com o passado, assim como seus templos e jardins centenários. A província atrai muitos turistas por esse motivo.

St. Michael

Uma das províncias "não-japonesas" de Yamato. Embora esse tipo de nomenclatura já esteja em desuso e seja vista com maus olhos hoje em dia, é fato que os habitantes de St. Michael, principalmente os nascidos ali, tenham um comportamento mais "europeu". Suas belas cidades também não são exceção, lembrando cidades ocidentais como Paris e Londres.

Vallejón

Ao extremo sul do país, encontra-se Vallejón, uma província que mistura legítimas influências espanholas e latino-americanas. Com suas belas praias, suas cidades litorâneas são destinos comuns de férias.

Windharvest County

Diferentemente da província "irmã" St. Michael, Windharvest é a mais interiorana de Yamato, concentrando praticamente todas as plantações do país. As cidades geralmente não são muito grandes, sendo que a maior, Cornfield, não chega a 1 milhão de habitantes. O ar rústico se estende por praticamente toda Windharvest, com longas estradas que cortam plantações de trigo, arroz e milho conectando cidadezinhas.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória