FANDOM


Kaleli Gatasitasi
Kaleli Gatasitasi1

Nome:  Kaleli Gatasitasi Esporte Clube

Localização:  Benta Kalela, Comunidade de Benta Kalela

Estádio:  Estádio Martin Salaloeta (52.000) 

Estádio Nacional Maka'alohi Ar'iko Hokumele (100.000) - Jogos na COMPACTA

ApelidosTasi, Tasitasi, Os Kalelis, Lilás, Papão, O Orgulho de Benta Kalela

Uniformes

Kaleli Gasitasi Fora
Kaleli Gasitasi Casa

Kaleli Gatasitasi é um clube de polidesportivo de Rapa Uro, localizado na cidade de Benta Kalela (Comunidade de Benta Kalela). Atualmente disputa as divisões principais do futebol masculino e feminino do país. É considerado um clube gigante nacional, para muitos, o maior clube de Rapa Uro. Foi o primeiro clube rapaurenho a conquistar um título da COMPACTA, a James Cook Cup de 2016.

Fundação e primeiros anos Editar

Benta Kalela foi uma das primeiras cidades na qual o futebol teve um bom desenvolvimento em Rapa Uro. A soma de economia dinâmica e portuária, crescimento do proletariado e uma elite ocidentalizada e bem estabelecida fez a cidade saltar na frente no desenvolvimento de modalidades esportivas trazidas da Europa.

A Liga de Benta Kalela, na qual também militavam equipes de cidades vizinhas era tida com a mais forte do país junto com a Nui Menara. A emergência do futebol como esporte nacional acirrou ainda mais uma rivalidade de séculos entre as duas cidades. Periodicamente os principais clubes de ambas enfrentavam-se em amistosos.

Em 1911, ambas as ligas concordaram em acertar o tira-teima, e oficializaram a competição que mais tarde viria a se transformar na Liga Nacional, a Taça das Cinco Pedras. Inicialmente, tratava-se de uma partida de ida e volta entre o campeão da Liga de Menara contra o da Liga de Benta Kalela.

Após as sete primeiras edições do torneio, os times de Nui Menara obtiveram cinco conquistas. As duas de Benta Kalela foram obtidas por equipes que não eram da capital (Sasa Tafatolu e Sportiva de Baculi). Ainda que o futebol praticado na capital kaleli fosse reconhecidamente bom, ficava a sensação de que estava a um passo atrás de Menara. Nem a conqusta do Kaleli Alumni em 1918 pode apagar essa impressão.

Em 1919 a Taça das Cinco Pedras passou a chamar-se Taça da Independência e ter uma fase prévia de pontos corridos antes do tradicional mata-mata. Nesta primeira edição, que terminou em 1920, o único time de Benta Kalela (capital), o Sports Tutonu, amargou a 10ª e última colocação. Foi a gota d'água. Na temporada seguinte, Sports Tutonu, Independência, Kaleli Alumni e Kaua Wahai fundiram-se para formar o Kaleli Gatasitasi (Os Orgulhosos Kalelis em Uro Moderno).

A repercussão foi tão grande que o Tasi entrou em 1921 seguinte como favorito ao título da Independência. O time de fato foi bem, mas acabou derrotado pela Estação na semifinal. Nas três temporadas seguintes o Gatasitasi não chegou às semifinais.

Na edição 1924-25 o clube avançou até as finais pela primeira vez e acabou derrotado pela Sportiva de Baculi. No ano seguinte, contra a mesma Sportiva, veio o troco na final. Finalmente a capital tinha um título da Taça da Independência para chamar de seu. Na última edição do torneio o clube caiu nas semifinais, garantindo-se por índice técnico na Liga Nacional de 1927.

História nas competições FERUFUTE Editar

1927-1940 Editar

O Kaleli Gatasitasi demonstrou logo nos primeiros anos da Liga Nacional de Rapa Uro o tamanho de sua camisa. Nas 14 primeiras edições do torneio, avançou para a fase de mata-mata em 9 ocasiões. Em apenas duas (1934 e 1935) não esteve na metade superior da classificação. Já na edição de 1928 veio o primeiro título. O clube havia sido a melhor na fase de pontos corridos. Nas semifinais, passou com facilidade por sua grande rival Sportiva de Baculi. Na decisão contra o Ulili Aleto, vitórias por 4-2 fora de casa e 1-0 em casa garantiram o caneco.

Em 1932 o Tasi chegou a sua segunda final. Após primeira fase irregular, na qual ficou com o 6º posto, a equipe passou sem maiores dificuldades por Estação nas quartas de final e Ivanlandia CF nas semis. Na decisão um duelo equilibrado contra o Witiki'inas, empate por 2-2 em Benta Kalela, e na casa dos adversários os lilázes caíram por 1-2.

Em 1933, veio o bicampeonato. Em 5º nos pontos corridos, o Gatasitasi passou por União da Torre e Ulili Aleto, antes de derrotar sua grande rival Sportiva nas duas partidas da decisão.

O tri chegou em 1939. Novamente o clube não fez uma primeira fase arrasadora, mas o 5º lugar garantiu a vaga nas quartas de final. No duelo contra a União da Torre, o Orgulho empatou em casa e precisou arrancar um 2-1 em Nui Menara para avançar. Contra o Ulili Aleto na semifinal, vitória por 2-1 em casa e um sofrido empate por 3-3 que garantiu mais uma decisão. Contra sua maior rival, a Sportiva, os da capital venceram por 4-0 e 2-0, trazendo o título de forma incontestável.

Nesta década começou também a ser disputada a Copa Rapa Uro. A final de 1937 foi decidida novamente pelos arqurrivais Kaleli Gatasitasi e Sportiva de Baculi. Após 1-1 na decisão original, houve a necessidade de uma segunda partida, na qual o Tasi venceu por 3-0. Em 1940 o clube voltou à decisão, mas caiu diante do Visdea por 2-4.

Anos 1940 Editar

Nesta década o Kaleli Gatasitasi obteve a marca que lhe consolidou como o clube a ser batido no país. Das dez temporadas de Liga ausentou-se da fase final em apenas uma (9º lugar em 1944), caiu nas quartas de final em outra (1946) e atingiu a semifinal nas oito restantes.

Já em 1941, o Tasi foi às finais da Copa Rapa Uro, onde acabou derrotado pelo Ivanlandia CF. Neste mesmo ano, foi surpreendido nas semifinais da Liga pelo Covas Pindorama. Em 1942 e 1943 os Kalelis sofreram pesadas eliminações nas semifinais da Liga, ambas diante do Kaialo Hanono. O placar agregado de 1942 ficou em 9-4 em favor dos menaras, e o do ano seguinte em 6-2. Em 1945 o clube voltou à decisão da Liga, mas acabou sendo batido pelo Visdea, que arrancou um empate em Kalela e venceu nos seus domínios por 3-1.

O Gatasitasi encerrou os anos 1940 disputando quatro finais consecutivas da Liga. A torcida já se impacientava com a ausência de títulos, quando o clube obteve novo vice-campeonato em 1947. Mais uma vez o algoz foi o Kaialo Hanono, que venceu em casa por 2-0 e segurou a vantagem perdendo por 4-5 no jogo de volta. Em 1948 o título voltou às mãos do Papão, justo no momento em que a equipe obteve uma contestada 6ª colocação na fase de pontos corridos. Menos pressionados, os Kalelis eliminaram o Buen Viaje nas quartas de final, golearam o Atlético Menara nas semis,e fizeram um nervoso duelo diante da Estação na decisão, que acabou com 3-2 em seu favor.

No ano seguinte a Estação deu o troco, o Tasi teve a melhor campanha da fase inicial, derrotou o Atlético Menara, mas acabou caindo diante da Alvorada na decisão. No último certame da década, em 1950, o Tasitasi voltou a ser dominante na fase de pontos corridos e enfrentou o rival Atlético Menara nas semifinais, vencendo em casa por 3-0 após empate de 2-2 no estádio rubro-negro. Na decisão, outra equipe de Nui Menara pela frente, o Kaialo Hanono. Mais uma vez o Papão trouxe para casa um 2-2 e fez seu dever vencendo por 2-0 e sagrando-se pentacampeão nacional. No mesmo ano, o clube derrotou o Buen Viaje na final da Copa Rapa Uro tornando-se bicampeão da competição e segundo time a conquistar a dobradinha em Rapa Uro (o primeiro foi o Kaialo Hanono em 1947).

Anos 1950 Editar

Já considerado um gigante do país, ao lado de clubes como Kaialo Hanono, Atlético Menara, Ulili Aleto e Estação, o Kaleli Gatasitasi manteve o desempenho na década de 1950, conquistando mais dois títulos da Liga, dois da Copa e ausentando-se do mata-mata uma única vez (7º lugar em 1951).

Após a perder o mata-mata em 1951 e eliminações nas quartas de final em 52 e 53, o Tasi recuperou a coroa em 1954. O time ficou em 2º lugar na fase de pontos corridos, sendo deixado muito para trás pelo Kaialo Hanono que obteve impressionantes 26 vitórias em 38 partidas. Mas enquanto os menaras penaram para eliminar o Ulili Aleto na semifinal, o time lilás não tomou conhecimento da Estação, vencendo as partidas por implacáveis 5-0 e 4-0. Na decisão contra o Hanono, o Gatasitasi derrotou os favoritos por 3-1 no jogo da ida e segurou a derrota por 0-1 fora de cassa para sagrar-se campeão por saldo de gols.

Foi outro clube de Nui Menara, o Atlético, que eliminou o Tasi nas semifinais da Liga de 1955, mas os kalelis retornaram à decisão no ano seguinte. Após obter o 3º lugar nos pontos corridos, o Orgulho passou com tranquilidade pelo Bairro dos Brinquedos nas quartas, "devolveu o favor" ao Atlético Menara nas semis, e sucumbiu diante do também menara Ivanlandia CF em uma apertada decisão. A torcida não reclamou, já que o clube levantou a Copa Rapa Uro no fim da temporada, após derrotar a Estação na final. O mesmo título voltou à Benta Kalela em 1957, quando o Tasi derrotou o Anarico.

Anos 1960 (1960-1972) Editar

Começaremos a falar desta década no ano de 1960, não pelo erro de incluir o final de um decênio no início de outro e sim porque esta foi a temporada na qual o Tasi iniciou nova sequência de quatro finais consecutivas. No último certame da década o Papão ficou em 2º lugar nos pontos corridos, classificando-se direto para a semifinal, na qual eliminou o Bairro dos Brinquedos. Na grande decisão, o Ulili Aleto era o favorito, mas os Kalelis ergueram o caneco após vencer por 2-0 em casa e segurarem o empate na Esmeraldina, sagrando-se heptacamepeões. Na temporada seguinte um bicampeonato incontestável. O clube foi o melhor na fase de pontos corridos e teve de enfrentar o Visdea nas semis. O Entre-Rios não facilitou, e após derrotar os Kalelis por 2-1 em casa. Na volta, estiveram na frente do marcador em dois momentos até finalmente sofrer a virada e cair por 3-2 no Martin Salaotea. A vantagem da melhor campanha seria a carta na manga do Tasi diante do Atlético Menara. A equipe lilás agonizou em Nui Menara e sofreu um sonoro 3-0. No jogo de volta, emoção, pancadaria, interrupções e um catártico 5-2 em favor dos donos da casa. Essa foi a segunda de muitas finais que colocariam estas duas equipes frente a frente, e na ocasião, a segunda vencida pelos Kalelis, que chegavam ao oitavo título.

Em 1962 o Kaleli Gatasitasi colocava em prática todo seu favoritismo. Ficou 8 pontos à frente do Atlético Menara na fase de pontos corridos. Na semifinal, sofreu, mas conseguiu eliminar o Visdea. Mas decisão é decisão, e a Estação soube usar o fator casa para emplacar um 3-0 em seu favor logo na partida de ida. Não foi possível reverter o resultado no jogo de volta, que terminou em 2-2. No último ano desta impressionante sequência, o Tasi passou sem sustos pelas quartas de final diante de um surpreendente Estrela Manusama, vingou-se da Estação nas semis em dois jogos movimentados que acabaram com um agregado de 9-7 em favor dos Kalelis e voltaram a defrontar-se contra o Atlético Menara na final. Dessa vez, melhor para os rubro-negros que venceram por 1-0 e 3-2.

Nas cinco temporadas seguintes o Tasi se ausentou das finais da Liga, o que a essa altura parecia um pesadelo para seus cada vez mais exigentes torcedores. Em todas elas o clube esteve no mata-mata, destaque para a dolorosa eliminação contra a Sportiva de Baculi nas semifinais de 1964. Outra derrota marcante no período veio na final da Copa Rapa Uro de 1968, conquistada no Estádio Nacional (logo em Benta Kalela) pelo Atlético Menara.

Em 1969 o clube conquistaria seu nono título nacional. Após ficar em 3º nos pontos corridos, encarou um inesquecível duelo contra a Estação. Após perder por 0-3 fora de casa, o Tasi devolveu o resultado em casa e se classificou por melhor campanha. Na fase seguinte o adversário foi um periogoso Anarico, que não pode reverter em casa a vantagem de 4-2 conquistada pelo Lilás dentro de seus domínios. Os Kalelis eram favoritos na final contra um instável Kaialo Hanono e cumpriram expectativas ao vencer facilmente as duas partidas por 3-1 e 4-1.

Se a década de 1960 começou em 60 para o Kaleli Gatasitasi, pode-se dizer que ela terminou em 1972. Neste triênio, destacam-se a vitória sobre a Sportiva nas quartas de final da Liga de 1970 a dolorosa eliminação por 1-4 em casa contra o Ivanlandia CF nas quartas de 1972 e a conquista da Copa Rapa Uro pela 5ª vez em 1972 diante do Visdea.

Cabe dizer que durante este período o Kaleli Gatasitasi não se ausentou do mata-mata em nenhuma ocasião, numa impressionante sequência que coemçou em 1951 e duraria até 1986.

Anos 1970 - Gigantismo e Rivalidade Editar

Justifica-se argumentar que os anos 1970 só começaram em 1973 para o Kaleli Gatasitasi. O clube emplacou a partir deste ano uma marca sem precedentes de seis finais de liga consecutivas, incluindo a sequência antológica de quatro decisões contra o Atlético Menara, que transformou para sempre o futebol rapaurenho. Apesar do clube não atingir a sétima final consecutiva em 1979, o clube esteve na semifinal desse ano e também na de 1980, fechando os anos 1970 com nove semifinais em dez possíveis. Mais um período extremamente glorioso para o Papão, que de fato ganhou o apelido nesta época por "papar" títulos a todo momento.

O ano de 1973 foi o do décimo campeonato nacional. Após ser dominante nos pontos corridos, o Tasi passou sem maiores problemas pelo Bairro dos Brinquedos e encarou a Estação na final. Após perder a ida por 0-3 na casa dos adversários, o Orgulho venceu por 4-1 na volta, em um deja-vu das quartas de final de 1969.

Em 1974, o clube foi vice-campeão. Após passar para as semifnais por obter a 2ª posição, os Kalelis não tiveram problemas para eliminar o Visdea, antes de sucumbir diante do Ulili Aleto na final. Neste confronto, o Kaleli Gatasitasi tinha a vantagem da melhor campanha e empatou fora de casa por 0-0, antes de perder a partida decisiva em seus domínios por 0-2. Ainda neste ano, o clube sagrou-se hexacampeão da Copa Rapa Uro ao derrotar o Witiki'inas na final.

No ano de 1975 começa uma das histórias mais fantásticas do futebol rapaurenho. As transmissões de TV, bem como a cobertura da mídia em geral explodiram exatamente no momento em que os dois clubes de maior torcida no país, Kaleli Gatasitasi e Atlético Menara, decidiram a Liga por quatro ocasiões seguidas, empurrandos ambos para o ódio (e respeito) eterno. Ainda que o clube já cultivasse históricas rixas contra os grandes de Menara, o mais provável era que um fã do Tasi considerasse a Sportiva de Baculi sua maior rival até então, e que um do Atlético citasse o Hanono ou Ivanlandia CF. Dois dos maiores esquadrões do futebol de Rapa Uro, inseridos num contexto de massificação da comunicação resultaram na ampliação de uma rivalidade já existente conhecida posteriormente como Clássico da Nação. Entre 1975 e 1978, todos tinham um lado, não importando se de fato eram torcedores de Kaleli Gatasitasi ou Atlético Menara.

No primeiro round, em 1975, os clubes já vinham protagonizando uma grande batalha na fase de pontos corridos, na qual o Atlético Menara acabou com dois pontos na frente do Tasi. Nas semifinais, o Atlético passou por um complicado confronto contra seu rival local Kaialo Hanono enquanto os Kalelis desferiam outro duro golpe no coração dos torcedores da Estação, ao reverter um 0-2 no jogo ida em um 3-0 no jogo de volta. Antes do duelo decisivo, o Tasi encarou sua segunda final seguida de Copa Rapa Uro diante do Flamengo Agrícola e acabou derrotado por 1-2. De volta à Liga, o Atlético Menara era o favorito à decisão por ter vantagem do empate e não enfrentar o estresse de uma decisão perdida logo antes da grande final. Os dois jogos foram memoráveis. Na ida, o Tasi saiu atrás, mas acabou virando para 3-1. No fim, os menaras descontaram e obtiveram um aceitável 2-3. A partida decisiva foi uma troca de golpes comandada pelo rubro-negro que abriu 1-0, depois 2-1, mas acabou sofrendo o empate e fazendo o título voltar para Benta Kalela. Era a terceira vez em quatro decisões que o Orgulho levava a melhor.

Em 1976 os times mantiveram o alto ritmo e novamente ficaram nas duas primeiras colocações da fase de pontos corridos. A diferença é que o Gatasitasi ficou em 1º, possuindo a vantagem dos resultados iguais e decidindo o certame em casa. O vento parecia favorável aos Kalelis. Nas semifinais, enquanto seu rival suava sangue diante do Ulili Aleto, eles passavam com tranquilidade pela zebra Muliwai. Antes da decisão, o Tasi jogou sua terceira final seguida da Copa Rapa Uro, desta vez erguendo o sétimo caneco diante de uma cada vez mais traumatizada Estação. Na final, o Atlético Menara sabia que sua chance era a partida em casa e não se fez de rogado. Vitória contundente por 4-2. No jogo da volta, o Tasi conseguiu fazer 1-0 com 17 minutos. O resto da partida foi de muita tensão, pontapés e chances perdidas. Mas o resultado se manteve, e o caneco mudou de lado.

Muitos imaginavam um possível tira-teima em 1977, mas dessa vez o Gatasitasi foi sendo deixado para trás na fase de pontos corridos. Enquanto o Menara passava tranquilo, os kalelis ficaram em 3º e tiveram de jogar as quartas de final. O duelo contra o Buen Viaje foi complicado, mas o Lilás passou, A semifinal contra o Ulili Aleto, que havia ficado em 2º foi até mais tranquila. O Atlético por sua vez precisou usar a vantagem de melhor campanha para derrotar o Bairro dos Brinquedos. Na ocasião, paradoxalmente, quem jogava a final da Copa Rapa Uro eram os Menaras, que derrotaram o Buen Viaje. Na ida da final da Liga, o Kaleli adotou a estratégia do rival no ano anterior, partiu para cima em seus domínios, e venceu com justiça por 3-1. Mas faltou a competência para manter a vantagem, com dois gols no início da segunda etapa o Atlético Menara igualou o agregado e venceu po 2-0 e levou o confronto novamente por melhor campanha.

A fase de pontos corridos de 1978 deu a impressão de que as contas poderiam não estar definitivamente acertadas. Mais uma vez o Atlético Menara ficou com o 1º lugar, mas apenas com um ponto a mais que os Kalelis. Ambos passaram por confrontos dificílimos nas semis, o Atlético eliminou o Buen Viaje por 4-3 no agregado enquanto o Kaleli voltava a cometer o crime contra a Estação valendo-se da melhor campanha após 3-3. Nesta imrpessionante quarta final consecutiva ninguém podia arriscar um favorito pois os times vinham apresentando desde o início do ano um futebol de nível poucas vezes antes visto no país. As partidas foram truncadas. O Tasi tentou se impor na ida e não conseguiu. No fim do jogo, sofreu um gol de pênalti e perdeu em casa por 0-1. Vencer por dois gols na casa do Atlético Menara era uma missão ingrata, mas pareceu ser possível. O Tasi saiu na frente no fim do primeiro tempo, mas aos 65' tomou o empate que encaminhava o tri-campeonato rubro-negro. Terminava assim uma fase absurdamente espetacular do futebol rapaurenho e especialmente dolorida para os fãs do Kaleli Gatasitasi, ainda que este seja para alguns saudosistas o melhor time de sua história.

Em 1979 os arquirivais voltaram aos dois primeiros postos da fase de pontos corridos, mas acabaram sucumbindo nas semifinais. Em 1980 mais um capítulo deste duelo de gigantes, na final da Copa do Reino. E outra vez, o Atlético levou a melhor, vencendo por 4-2. Na Liga, os Kalelis caíram na semifinal, diante do Bairro dos Brinquedos.

Anos 1980 - Perdendo o fôlego Editar

Depois de 30 anos consecutivos de participação em mata-mata, dez títulos de Liga e sete da Copa Rapa Uro, o que poderia ser ruim para o Kaleli Gatasitasi? O clube já era reconhecidamente o mais vitorioso do país, ainda que tivesse perdido terreno para um imponente Atlético Menara no fim dos anos 1970. Mas há pelo menos 30 anos eram basicamente o time a ser batido no país. E nos anos 1980 foram batidos algumas vezes. Não que a década tenha sido ruim, foram 5 semifinais, 2 decisões e 1 título de Liga e 2 de Copas, mas pode-se dizer que o Lilás perdeu o fôlego e não conseguiu imprimir o ritmo das décadas anteriores. Em duas ocasiões o time sequer avançou ao mata-mata. Pode ser rotineiro para quase todo mundo, mas foi um espanto para os torcedores na época.

Em 1981 o clube caiu diante do Visdea nas semifinais e em 1982 diante do Ulili Aleto nas quartas. Em 1983 o Tasi avançou em 5º lugar para o mata-mata e teve de enfrentar o Atlético Menara já nas quartas de final, levando a melhor sobre o rubro-negro pela primeira vez em quatro eliminatórias de Liga. Um pequeno gostinho de vingança salvou uma temporada não tão animadora, que acabaria na semifinal diante de um embalado Flamengo Agrícola.

Em 1984 o clube conquista a Copa Rapa Uro pela oitava vez em uma final contra o surpreendente Esmeraldas da Segunda Divisão. Na Liga as coisas iam muito bem - pela brilhante campanha de 1º lugar nos pontos corridos - até a letárgica eliminação diante da zebra Mapopo Liona com duas derrotas na semifinal.

Na temporada de 1985 o clube voltou a uma decisão de Liga pela primeira vez em seis temporadas. No primeiro semestre já havia faturado a Copa do Reino pela primeira vez contra a freguesa Estação nos pênaltis. Depois de ficar em 1º na fase inicial e superar um brilhante Visdea na semifinal, o Gatasitasi sofreria uma de suas mais dolorosas derrotas em final diante do Bairro dos Brinquedos que acabava de voltar da Segunda Divisão.

Após o fracasso retumbante de 1986 onde o clube não chegou ao mata-mata pela primeira vez desde 1951 , o Kaleli Gatasitasi voltaria a se encontrar com um título de Liga, o primeiro - e único - desta década. O clube não foi genial nos pontos corridos, ficando em 4º lugar. Nas quartas passou com alguma dificuldade pelo Kaialo Hanono e foi com sede de sangue enfrentar o Atlético Menara nas semifinais. Não tomou conhecimento do adversário vencendo com méritos as duas partidas e emplacando ao rubro-negro a segunda eliminação seguida em confrontos diretos por mata-mata. Na final, mais uma vingança, dessa vez contra o Bairro dos Brinquedos, que foi derrotado por 0-1 e 1-2. Décimo segundo título para o Papão.

A década no entanto não acabaria ótima para o Gatasitasi. Já se percebia que nem ele nem o Atlético Menara eram as forças incontestes que tinham sido na década anterior. Em 1988, o Tasi é eliminado nas quartas de final diante do Buen Viaje, em 1989 não chega ao mata-mata por um ponto e em 1990 cai nas quartas de final contra o franco-atirador Auritusulu. Nas Copas, o sucesso não foi muito maior.

Anos 1990 Editar

A década de 1990 não começou bem para o Orgulho de Benta Kalela. Mais uma vez o time não conseguiu reestabelecer sua hegemonia no futebol rapaurenho. Ainda assim, continuou sendo considerado, ao lado do Atlético Menara a principal força do país. Como aconteceu nas décadas de 1960 e 1970, o Gatasitasi se classificou para todas as fases de mata-mata dos anos 1990, agora beneficiado por regulamentos que por vezes passavam 8 equipes para as quartas de final.

Ainda assim o clube não avançou para as semifinais entre 1991 e 1995, completando uma sequência iniciada na década anterior de oito anos sem estar entre os quatro melhores da Liga. Foi a primeira, e até hoje única, vez em que isso aconteceu. A última destas eliminações se deu exatamente contra o Atlético Menara, que derrotou o Tasi por 4-0 em casa após ter perdido em Benta Kalela por 0-1. Mas nem tudo foi ruim nestes anos, em 1994 o Lilás ganhou a Copa do Reino derrotando seu maior rival nos pênaltis. Em 1995 a equipe teve a chance de tentar o bi, mas perdeu na final para o Kahua Motuhake.

Este tempo de vacas magras fez o clube entrar mordido na Liga de 1996. Era imprensável que uma camisa tão grandiosa passasse quase uma década sem estar sequer na semifinal, mas a marca em si não incomodava tanto quanto a ausência de um título. O clube gastou bastante para montar um elenco competitivo e os frutos foram colhidos na fase de pontos corridos, que teve o Kaleli como líder de ponta a ponta. Nas quartas de final, o adversário foi o Covas Pindorama do brilhante Ar'iko Saito, mas o Tasi passou sem problemas. A seguir, clássico contra o Atlético Menara, que foi decidido no detalhe. O Papão foi dominado na casa do rival e caiu por 4-2, mas conseguiu reveter o placar em casa, a vitória por 2-0 fez com que o clube utilizasse a vantagem da melhor campanha para avançar. Na final, outro velho conhecido, a Estação, que mais uma vez não pode contra os Kalelis. Na ida, 2-0 em favor dos Esmeraldinos, mas na volta o resultado foi revertido para um 3-1 que garantiu o 13º troféu nacional, e um grito de redenção para os torcedores. Este foi o último confronto entre Estação e Kaleli Gatasitasi em mata-mata na Liga, deixando o retrospecto final em um impressioanante 12-2 em favor do clube de Benta Kalela.

Nas três edições seguintes da Liga, o Gatasitasi cairia nas semifinais. Tanto em 1997 quando em 1998 o algoz foi o Atlético Menara, que com isso eliminou os Kalelis da Liga por três vezes em quatro anos, traçando paralelos com a rivalidade dos anos 1970. O ano de 1997 foi também o de matar a saudade de uma conquista na Copa Rapa Uro, que não acontecia desde 1984. Na final, o Kaleli bateu o Visdea.

A década de 1990 acabou doída para o Kaleli Gatasitasi. Tendo o considerado elenco mais forte do país, o clube encerrou a fase de pontos corridos de 2000 na primeira colocação. Após passar confortavelmente pelas quartas e semifinais, o clube foi novamente decidir o título contra o Atlético Menara. Em duas partidas truncadas, os rubro-negros veneram por 1-0 em casa e seguraram empate sem gols fora, sagrando-se campeões. A derrota foi particularmente dolorosa não apenas por ter sido a terceira eliminação em sequência do Gatasitasi em confrontos diretos de mata-mata contra o Atlético Menara, como também pela contagem geral de títulos, agora os Menaras tinham 15 contra 13 dos Kalelis.

O fim da Liga Nacional, hegemonia nos pontos corridos e decadência (2001-2012) Editar

Nas últimas cinco edições da Liga Nacional em seu velho formato, o Kaleli Gatasitasi esteve duas finais, duas semifinais e uma quartas de final. Em 2001 foi surpreendido por um embalado Witike nas semis. Na temporada seguinte, foi o melhor em campo, avançou até a decisão e acabou surpreendido por um burocrático e efetivo Ulili Aleto. Apesar da semifinal em 2003, o clube não apresentou bom futebol, tendência que se manteve em 2004, quando acabou caindo logo nas quartas.

A edição final da Liga apresentou um Kaleli Gatasitasi mais uma vez mordido por já não conquistar o título há nove anos. O clube fez uma grande fase de pontos corridos, e na sequência chegou à final para enfrentar o surpreendente Bairro dos Brinquedos, que fazia uma campanha de superação após retornar da Segunda Divisão no ano anterior. Havia também grande expectativa pois esta se tratava (pelo menos até hoje) da última final em Ligas, já que a partir de 2006 foi adotado o sistema de pontos corridos. Em Findos Montes o BB levou a melhor por 1-0, mas uma vitória simples em casa bastaria para devolver o caneco aos Kalelis. Após uma grande atuação no primeiro tempo, o Orgulho abria 2-0 no marcador e poderia até sofrer dois gols. Mas uma segunda metade desastrosa permitiu a virada dos findomontenses, que repetiam 1985, quando venceram uma final de Liga contra o Gatasitasi logo após a promoção da Segundona.

Em 2006 inciava-se a Mamalu Vaega/Divisão de Honra, no sistema de pontos corridos. O Gatasitasi não começou bem no novo forma. Até fez bom primeiro turno, mas a equipe parou de render no segundo e acabou ficando em um criticado 8º lugar. Contratações chegaram para a temporada de 2007, já que os Kalelis haviam igualado sua maior seca de títulos nacionais na história. O ano começou muito bem com o clube faturando a edição de reinauguração da Copa do Reino contra o Estrela Manusama na decisão. A Mamalu Vaega parecia configurar uma disputa entre Kaleli Gatasitasi, Ulili Aleto, Ivanlandia CF e Estrela, mas os dois últimos foram sendo deixados para trás. No final, o Gatasitasi venceu o título com duas rodadas de antecedência, deixando os esmeraldinos com o vice. Em 2008 o clube manteve a pegada e não deu chance para o azar. Liderou a Liga de ponta a ponta, vencendo o título com facilidade. No fim, foram catorze pontos de sobra para o vice Kahua Motuhake, fazendo com que os saudosistas pedissem a volta do mata-mata. A conquista deixou o clube com 15 Ligas na sala troféus, e visando alcançar o Atlético Menara que tinha 17. Neste mesmo ano, o Tasi chegou a 10ª conquista da Copa Rapa Uro batendo a Estação na final e conseguindo sua segunda dobradinha.

Logo após esse período fabuloso de quatro títulos em duas temporadas e recuperação da hegemonia nacional, o Gatasitasi entrou no que foi sua pior sequência na história da Liga Nacional. Favorito ao tri em 2009, o time passou por uma ressaca e não aguentou o andamento da temporada ficando na 9ª colocação. Era a pior posição na Liga desde 1938, ainda assim, a torcida manteve alguma paciência graças ao bicampeonato anterior. Mas no ano seguinte tudo foi ainda pior, o Gatasitasi não encaixou sequência nenhuma na competição e encerrou a temporada num criticado 11º lugar, desta vez atingindo sua pior participação no principal torneio do país desde 1935. Em 2011 o Gatasitasi investiu pesado para voltar a disputar o título, mas o ambiente no clube estava bastante deteriorado. Apresentando um futebol sem ideias e taticamente pobre, o Gatastasi bateu mais um recorde negativo, ficou na 13ª colocação, a pior campanha de sua história na Liga. O rebaixamento não foi uma ameaça real, mas pela primeira vez torcedores tiveram de olhar com receio para essa parte da classificação. Mesmo com a temporada horrível, os Kalelis vieram aos trancos e barrancos na Copa Rapa Uro e acabaram por bater o Covas Pindorama na decisão. O título foi festejado, mas não absolveu jogadores, diretoria e comissão técnica. Novas contratações chegaram em 2012, quando parecia que o pesadelo finalmente iria acabar. De fato, o clube apresentou seu melhor futebol desde o título de 2008, mas foi extremamente irregular, não conseguiu se impor em seus domínios e acabou encerrando a temporada em 10º lugar.

Volta ao topo e conquista da COMPACTA (2013-2016) Editar

Os quatro anos onde o Kaleli Gatasitasi ficou afastado da parte de cima da classificação pareceram décadas para seu torcedor. Em 2013 o objetivo não era a disputa pelo título, e sim a reconquista do respeito. Mais pé no chão, a diretoria até contratou, mas focou em enxugar o elenco. Apesar de ter ficado muito longe do título, os Kalelis voltaram a praticar um bom futebol, terminando a Mamalu Vaega em 4º lugar, o que foi comemorado pela torcida. No ano seguinte o elenco ganhou confiança e realizou uma grande temporada. O Gatasitasi tentou encarar uma luta ponto a ponto pelo título contra a geração de ouro do Buen Viaje, mas acabou sucumbindo no fim. De todo jeito, o vice-campeonato foi bastante celebrado, principalmente se somado à conquista da Copa Rapa Uro, que veio após pênaltis contra o Ulili Aleto.

A temporada de 2015 era de muita novidade e expectativa para os rapaurenhos, pois a FERUFUTE tinha se filiado à COMPACTA, trazendo a possibilidade de intensas disputas pelas concorridas James Cook Cup e Copa da Linha Internacional da data. O foco do Gatasitasi era disputar o título nacional, mas sem dúvidas as possibilidade na JCC animavam muito. Na Liga, tivemos a disputa mais acirrada desde 2007. Enquanto o favorito Buen Viaje tropeçava repetidamente, Kaleli Gatasitasi, Witike, Anarico, Bairro dos Brinquedos, Ivanlandia CF e Atlético Menara protagonizavam uma imprevisível corrida pelo caneco. Na metade do segundo turno apenas os dois primeiros continuavam vivos. Prevaleceu a profundidade do elenco Kaleli, que acabou encerrando a temporada com uma margem de oito pontos de vantagem sobre o vice. O título voltava à Benta Kalela depois de oito anos. Na James Cook Cup, o Orgulho fez uma boa primeira fase, mas acabou eliminado por um motivado Buen Viaje que já havia largado a Liga para focar-se nas competições internacionais.

A euforia fez com que o Gatasitasi entrasse como favorito para a disputa da Mamalu Vaega de 2016. Mas ao longo da temporada faltou regularidade. O Gatasitasi variou jogos perfeitos com perdas inacreditáveis de pontos. O Ulili Aleto se aproveitou da falta de consistência dos rivais e construiu uma sólida vantagem ainda no primeiro turno da Liga, que já não se perderia. Ao fim da disputa o Tasi ficou com o vice-campeonato. Coube ao Lilás focar-se nas Copas. Na do Reino, uma grande frustração, o clube chegou à final como favorito contra o Haohana, mas caiu derrotado por 2-1. O título veio na Copa Rapa Uro, após uma final antológica na qual o aguerrido Andes segurou um empate por 2-2 com um jogador a menos antes de sucumbir para o gigante nos pênaltis. Mas o melhor estava guardado para a James Cook Cup. Após uma campanha praticamente impecável na primeira fase, o Gatasitasi passou por uma nervosa eliminatória contra o Paraduseve nas quartas de final. Na semifinal o adversário foi o poderoso Kilburn Towers, mas dessa vez os Kalelis se impuseram com vitórias nas duas partidas. Pela primeira vez um clube rapaurenho chegava na decisão de um torneio COMPACTA. Os adversários seriam o Nueva Vallecas de Iwakorá em jogo a ser realizado em Yamato. A imprensa atribuia um leve favoritismo ao Papão, mas em campo a partida foi nervosa. O clube teve um expulso aos 33 minutos, permanecendo com um a menos pelo restante do tempo. O gol do título veio em uma bomba de fora da área ainda na primeira etapa. A atuação brilhante da defesa garantiu a gigante honraria de conquistar a COMPACTA, que tornou 2016 um dos mais memoráveis anos para os torcedores kalelis.

No Mundial de Clubes de 2016, o Tasi classificou-se direto para a decisão, para enfrentar o pedrino ASP. O time esteve bem em campo, buscou uma desvantagem na segunda etapa, mas acabou derrotado após pênaltis por 2-3.

Futebol Feminino e outras modalidades Editar

O Kaleli Gatasitasi tem muita tradição também no futebol feminino, mantendo um dos mais antigos e bem estruturados departamentos do país. Desenvolveu ao longo dos anos 1990 e início dos 2000 uma rivalidade com o Liolapoano e o Anarico-História Japonesa nesta modalidade. Foi um dos clubes idealizadores da Auro Faso'olaga, a Liga Profissional de Futebol Feminino, iniciada em 2013. Logo na temporada inicial, faturou o título deixando Anarico-HJ e Amazonas de Termas para trás.

Na temporada de 2014, as Kalelis voltaram a apresentar grande futebol, mas acabaram superadas pelo Lio Lapoano por quatro pontos, ficando com o vice-campeonato. No ano seguinte, o clube acabou eliminado na primeira fase da Jeanne Barret Cup e ficou com o 4º posto na Auro Faso'olaga. Chamou a atenção neste ano o desenvolvimento de uma rivalidade com a velha conhecida Sportiva de Baculi também no feminino. A temporada de 2016 foi considerada ruim para o Kaleli Gatasitasi, que acabou distante da briga pelo título amargando uma 5ª posição.

Além do futebol feminino, o Gatasitasi oferece estrutura em esportes como tênis de mesa, tênis, judô e atletismo. Mantém também equipes na Primeira Divisão Profissional das Ligas de Voleibol tanto no Masculino quanto no Feminino

Torcida e Rivalidades Editar

O Kaleli Gatasitasi tem a segunda maior torcida de Rapa Uro, reunindo fãs pelos quatro cantos da ilha. Além de Benta Kalela, encontram-se fãs principalmente em Lio Lapoa, Anarico, Covas e Hikina Kahua.

Por ter sido fundado a partir da fusão dos principais clubes da Benta Kalela dos anos 1910, o Gatasitasi, mesmo estando sediado em uma das maiores cidades do país, não tem rivais locais. O único time da capital que atualmente disputa as quatro primeiras divisões além do Papão é pequenino Hauru Komoha. Há um histórico de confrontos contra o Hema Tafatolu, que representa a cidade metropolitana homônima, mas não chega a existir uma grande rivalidade entre ambos.

Historicamente os maiores rivais do Kaleli Gatasitasi são os três grandes de Nui Menara (Atlético Menara, Kaialo Hanono e Ivanlandia CF) e a Sportiva de Baculi. Estes quatro inclusive foram os times que motivaram a fundação do Tasi, que tinha por princípio montar uma equipe forte o bastante para tornar Benta Kalela o centro do futebol nacional.

Inicialmente, a Sportiva de Baculi foi a maior rival do Gatasitasi. Tratam-se dos maiores clubes da Comunidade de Benta Kalela. Disputaram duas finais de Taça da Independência, com uma vitória para cada lado, e uma final de Liga, na qual o Gatasitasi levou a melhor. A partir dos anos 1970 o clube de Baculi entrou em decadência, habitando frequentemente a Segunda Divisão. Mesmo assim os duelos continuavam acirradíssimos, e muitos seguiam apontando os Patos como principal adversário da equipe de Benta Kalela. A Sportiva acabou rebaixada pela última vez da Primeira Divisão em 1998 e nunca mais voltou, fazendo com que este duelo ficasse menos intenso desde então. A emergência da Sportiva como uma potência nacional no futebol feminino a partir de 2013 foi o que trouxe novos capítulos para esta grande rivalidade.

Outro rival da Comunidade de Benta Kalela é o Estrela Manusama. Em verdade, o Estrela considera o Papão seu principal adversário. O clássico ganhou força ao longo da década de 1980 e no começo dos anos 2000, quando o Estrela obteve bons resultados nacionalmente e a Sportiva já estava em decadência.

Atualmente, há quase um consenso de que o Atlético Menara é o maior rival do Lilás. Além de Benta Kalela possuir com Nui Menara um rixa histórica de vários séculos, o próprio Tasi, como já mencionado, foi formado como uma espécie de oposição à Nui Menara. A partir dos anos 1960, Kaleli Gatasitasi e Atlético Menara foram se tornando os dois maiores clubes e as duas maiores torcidas do país, fazendo com que a rivalidade crescesse. O clássico se eternizou quando ambos protagonizaram quatro finais consecutivas de liga entre 1975 e 1978. Atualmente são os clubes que possuem mais títulos na Liga e na Copa Rapa Uro. Cabe dizer que a rivalidade do Kaleli Gatasitasi com os outros dois grandes de Nui Menara (Kaialo Hanono e Ivanlandia CF) permaece grande, ainda que menor que este dérbi principal.

Outros clubes que cultivam alguma inimizade com os Kalelis são os esmeraldinos Ulili Aleto e Estação além do Bairro dos Brinquedos, pelo alto número de partidas decisivas disputadas entre estas equipes.

Títulos e Estatísticas Editar

Futebol Masculino Editar

James Cook Cup 1 - 2016

Primeira Divisão-Mamalu Vaega/Divisão de Honra 16 - 1928,1933,1939,1948,1950,1954,1960,1961,1969,1973,1985,1996,2007,2008 e 2015

Copa Rapa Uro 13 - 1937,1950,1955,1957,1972,1974,1976,1984,1997,2008,2011,2014 e 2016

Copa do Reino 3 - 1985,1994,2007

Taça da Independência 1 - 1925-26

Participações na Primeira Divisão - 90 (todas)

Melhor colocação na Primeira Divisão - 1º Lugar (em 16 ocasiões)

Colocação na Pontuação Histórica da Liga de Rapa Uro - 1º Lugar (5745 pontos)

Futebol Feminino Editar

Auro Faso'olaga 1 - 2013

Colocação na Pontuação Histórica - 1º Lugar (209 pontos)

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória